Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

NOSSO PRIMEIRO FILMINHO

NOSSO FILME CASEIRO



Bom meu nome é Lucas, tenho 30 anos, alto, moreno e bem safado. Minha noiva se chama Bete, ela é do tipo mignon, branquinha, peitinhos pequenos, toda gostosinha. Ela tem 24 anos. O que passo a narrar, aconteceu faz 1 mês atrás. Sempre fui meio exibicionista, gosto de exibir minha noiva sem ela saber, mas vamos aos fatos.

Fizemos um churrasco em casa, e no final ficaram apenas Paulo e Sonia, nosso amigos.

Deixo apresentar para vcs. Paulo tinha 31 anos, alto, forte, podemos dizer um belo homem. Sua namorada Sonia era muito parecida com a Bete. Tinha 23 anos, tb tipo mignom, peitinhos pequenos.

Começamos a arrumar a bagunça daquele dia. Bete estava na cozinha abaixada e como estava de saia jeans, sua calcinha estava a mostra, Paulo ficou olhando, tentando disfaçar mas não tinha como. Quando Bete foi ao quarto fui atrás e falei pra ela:

- Bete, viu como vc estava na cozinha, o Paulo viu até a etiqueta da sua calcinha. Bete riu e disse:

- Homem é todo bobo mesmo, até parece que ele nunca viu uma calcinha antes.

- Viu ele já viu, mas não a sua assim.

Rimos e voltamos pra sala. Pra dizer a verdade, fiquei com um pouco de ciúmes.

Ao chegar na sala, Sonia estava sentada numa poltrona com as pernas todas de fora. Ela Tb estava de saia curta. E que lindas pernas ela tinha. Fomos pra cozinha pegar umas cervejas pra terminar a noite. Bete disse:

- Disfarça um pouco, vc comeu a Sonia com olhos.

- Que nada, apenas olhei o que é pra ser olhado.

Voltamos pra sala e começamos a beber e conversar.

Bete sentou bem em frente ao Paulo e cada cruzada de pernas que ela dava, deixava sua calcinha a mostra. Como eu estava do lado do Paulo, pude perceber uma saliência por baixo de sua bermuda. Sonia percebendo tudo, mudou de lugar e foi sentar junto a Bete.

Cada cruzada de pernas dela, dava pra ver sua calcinha preta, bem pequenina.

O papo rolava em todos assuntos até começar em sexo. Paulo e Sonia namoravam a 2 anos e sempre transavam. Sonia disse que Paulo era muito bom de cama e tinha um pau enorme.

Bete perguntou: - Qual o tamanho?

- Sei lá, deve ter uns 20 cm ou mais, nunca medi.

- O do Lucas é nomal, bem gostoso, faz um belo serviço.

As duas falavam como nás não estivessemos ali, parecia que éramos duas estatuas.

Ai perguntei pra Sonia:

- Tamanho é documento pra vc?

- Lágico que não, pra mim o que importa é o desempenho.

- Pra mim Tb, disse Bete. Mas de vez em quando um bem maiorzinho não faz mal a ninguém.

Rimos todos depois dessa frase de Bete.

E o papo continuou bem animado, foi quando eu disse:

- Sobre o tamanho do pau do Paulo, Sonia, vc nunca mediu mesmo?

- Não, mas é grandinho.

- Se quiser medir agora, tenho uma fita aqui. O que vc acha.

- Sei lá, vou ficar envergonhada. Nunca fiz isso na frente de outras pessoas.

- Liga não, aqui somos adultos e amigos. Vc não concorda Bete?

- Sei lá, vc que está bem interessado no tamanho do pau do Paulo, por mim tudo bem.

Levantei e fui pegar uma fita e entreguei pra Sonia.

Sentei do lado da Bete e ficamos olhando.

Sonia chegou perto do seu namorado, abaixou sua bermuda e tirou sua cueca. Nisso saltou um belo pau, enorme mesmo. Bete deu um suspiro e ficou maravilhada vendo aquele pau pra fora.

Sonia pegou a fita e mediu.

- Tem 22 cm. Medido e revisado.

Rimos e voltamos a conversar. Paulo ficou assim mesmo pelado, e perguntei pra Sonia:

- Já tentou anal com ele?

- Ele sempre quer mas eu não deixo, deve doer muito.

- Já falei pra ela que faço com muito carinho. Disse Paulo

Rimos e bebemos mais alguns goles de cerveja.

- E vc Bete, já vez anal com o Lucas?

- Não, mas ele sempre pede, deve ser tara de todo homem.

- Olha sá então, temos duas virgens aqui no anal, disse Paulo

Rimos, nisso Sonia passou a fita para Bete e disse:

- Mede do Lucas pra gente saber.

- O meu é bem menor, tenho ate vergonha.

- Que nada, vamos lá. Disse Sonia.

Nisso Bete levantou e tirou minha bermuda e minha cueca. Meu pau estava duríssimo, todo melado. Bete deu uma limpadinha com a mão e mediu:

- 17cm que satisfaz, disse.

Olhei para Sonia e ela deu uma risadinha meio sem graça.

E ficamos conversando, falando de nossas transas, nossas fantasias e uma delas era fazer um swing. Idéia que nunca foi bem aceito pela Bete. Já havíamos conversado sobre isso, mas ela sempre desconversava dizendo que ainda não estava preparada, mas naquele instante ela estava na frente de dois homens pelados.

A Sonia Tb nunca topou, apesar de nunca ter conversado isso com o Paulo.

Sá sei que eu estava louco de vontade de comer a Sonia e ao mesmo tempo ver a Bete sentada naquele pau enorme.

Agora uma coisa engraçada que nás ainda não tínhamos percebido, que nesse papo todo, a Sonia estava alisando o pau do Paulo que estava mais duro do que uma rocha.

Vendo isso pedi para a Bete fazer o mesmo:

- Vamos lá Bete, aproveita a situação.

- Hummm... me dá esse pau aqui

Ela começou alisando bem devagar, como sempre faz, subindo e descendo bem devagar. Mas Tb percebi que a putinha da Bete não tirava os olhos do pau do Paulo.

A Sonia fazia a mesma coisa, batendo uma punheta bem gostosa pro Paulo, que estava gemendo.

Ficamos nisso por algum tempo até que pedi para Bete tirar sua roupas e ficar mais a vontade. Ela disse que tinha visita e ficaria com vergonha. Então eu falei:

- Vergonha!! Vc ta ai me punhetando e vendo a Sonia fazer a mesma coisa no Paulo.

Tira que Sonia tira Tb, disse Paulo. Sonia olhou espantado para ele, mas não disse nada.

Eu disse: - Pq vocês duas não fazem um stipe pra gente, seria muito legal.

Elas se olharam e toparam. Primeiro começou Bete, tirando a blusinha e a saia, ficando apenas de calcinha e soutien. Uma calcinha deliciosa, toda branquinha, enterrada na bundinha. Tirou a parte de cima e apareceram dois peitinhos, durinhos, pequenos, mas saborosos. Depois foi a calcinha, deixando a mostra uma bucetinha com pelinhos bem aparados, toda inchadinha. O Paulo estava alisando aquele pau enorme e com certeza com uma vontade louca de comer a Bete.

A Sonia começo a tirar sua blusinha e apareceram dois peitinhos lindos, Tb pequenos mas deliciosos. Tirou a saia e apareceu um minúscula calcinha preta transparente, linda, uma bundinha redondinha e virgem, tirando a calcinha, uma bucetinha Tb com pouquinhos pelinhos, vermelhinha, linda.

Bem estavamos ali os quatro nus, loucos de tesão. Foi ai que eu propus, para começar, uma filmagem entre nás que foi aceito com ressalvas, principalmente pelas meninas, mas que foi prometido no fim que o DVD ficaria com uma das duas.

Corri e peguei a câmera e começei primeiro a filmar a Bete toda peladinha, depois passando pela Sonia, que ainda estava meio tímida.

Pedi para a Sonia acariciar o Paulo, que ela fez prontamente, fazendo novamente aquele vai e vem com mão. Ela subia e descia bem devagar, e pedi para ela chupar aquele mastro duro, enorme, que ela não fez de rogada, chupando com gosto, primeiro passando a língua bem na cabeçona, depois chupando aquele belo pau. Era tão grande, que sá cabia a metade na boca dela. Mas ela chupava com gosto, descia sobia, foi quando ela ficou de quatro com o Paulo sentado no sofá e cemeçei a filmar por trás. Que bela visão daquela bundinha rosadinha, aquela xaninha toda meladinha.

Nisso olho pra trás e vejo a Bete batendo uma siririca bem gostosa, com as pernas encima do sofá e acariciando aquela bucetinha.

Nisso Paulo pegou a câmera e pediu para Bete dar um trato em mim, ela veio mas que depressa e abocanhou meu pau todinho, chupando com a maestria que ela sabia fazer.

Ficou assim me chupando bem gostoso, eu de pé e ela ajoelhada me mamando gostoso. Vi Tb a Sonia se acariciando, passando aqueles dedinhos em sua bucetinha e gemendo bem baixinho.

Depois Bete pegou a câmera e começou a filma a nás dois, primeiro eu e depois o Paulo, onde ela dava um close em seu pau.

Pegamos algumas cervejas e perguntei para as duas se elas poderiam de acariciar e eu filmaria tudo. Foi logo recusado pelas duas, dizendo que não era a praia delas, que não estavam totalmente resolvidas para ter um relacionamento sexual com outra mulher.

Disse tudo bem, mas não deveríamos parar sá nas chupetas. Nisso tive uma idéia brilhante. Pq as duas não se juntaria ao Paulo e eu ficaria filmando. A Bete ficou meia surpresa com minha proposta, mas não disse nada, apenas a Sonia disse que prefereria olhar primeiro a Bete com o Paulo.

Bete olhou pra mim, com aqueles olhinhos de “deixa vai”, eu apenas dei de ombros e falei.

- Tudo bem Bete, estamos entre amigos, e sei Tb que vc ta doida pra chupar aquela vara enorme. Vai lá que vou filmar tudinho.

- Filma então queridinho, e veja como se chupa um pau de verdade.

Ela caiu de boca naquela vara enorme chupando com a maior vontade, fazendo Paulo gemer que nem louco. Ela chupava, lambia, dava beijinhos na cabeça do pau, levando o Paulo ao delírio. Nisso Sonia pegou meu pau e abocanhou todinho, chupando e beijando meu pau. Engolia tudinho e tirava todo da boca e voltada a engolir todinho. Nisso Bete vendo a cena disse:

- Não é um pau gostoso Sonia, cabe todinho na boca, aproveita

- Vou aproveitar, e vc Tb está adorando o pau do Paulo, enorme, lindo, aproveita Tb.

Ficamos nisso por um longo tempo, e eu filmando tudinho.

Apás isso, fomos para o quarto para ficarmos mais a vontade. Chegando lá Bete pediu com a cara mais sacana do mundo:

- Lucas deixa eu sentar nesse pau lindo, to louca pra senti-lo dentro de mim.

Eu apenas concordei, mesmo sabendo que ela seria arrombada, pq a bucetinha é bem pequena e apertada, mas Tb era um desejo meu ver Bete cavalgando outro homem. Paulos deitou de costas e Bete veio por cima, encaxando aquela tora de 22cm em sua xaninha que foi engolindo centimento por centímetro, desaparecendo por completo dentro dela.

Eu filamndo tudo com a Sonia assistindo.

Bete falava: - Mete gostoso, me arromba, que pau maravilhoso, fode sua putinha, me come enquanto meu noivinho filma tudo. Que delicia, vou gozar, me come, me rasga toda.

Pelo que vi, a Bete gozou como nunca, saindo desfalecida de cima daquele pau.

Nisso Paulo levantou e pegando a câmera disse:

- Agora quero filmar vc com a Sonia, come aquela cadelinha que ela merece.

Comecei a xupar aquela xaninha deliciosa, levando ela ao delírio, depois coloquei ela de quatro e meti com bastante carinho naquela bucetinha toda molhadinha. Comecei a fazer um movimento de vai e vem bem devagar, levando a Sonia ao delírio.

- Isso mete, me come com esse pau delicioso, me come, deixa meu corninho me filmar tudinho. Ela sempre quis me ver com outro homem me comendo. Isso vou gosar, hummmmm

Caímos os dois na cama desfalecido. Descansamos um pouco falamos que nás dois ainda não gozamos. Bete começou a chupar Paulo e Sonia me chupava. Foi ai que tive uma surpresa daquelas.

Eu estava na posição de frango assado com a Sonia me chupando, percebi que ela começou a acariciar com a outra mão meu cu, dando leve dedadas, bem devagar. Começou a brincar com ele, tentava colocar um dedinho e tirava. Fui ficando com tesão e abri mais as pernas, dando o sinal livre, que ela não demorou pra colocar um dedinho todinho lá dentro, fazendo eu subir pelas paredes, não sabia que era uma delicia. Comecei a gemer pedindo mais, e ela colocou dois dedinhos.

Olho pro lado e vejo a Bete fazendo a mesma coisa em Paulo, colocando dois dedinhos no cu dele e ele gemendo igual gata no cio. Pra falar a verdade, se o pau do Paulo não fosse enorme eu ate toparia que ele me comesse, mas não podia ceder, ainda mais com a Bete por perto.

Paramos a começamos a conversar sobre isso e Sonia disse que Paulo sempre gostou, que em todas transas deles ele gozava do dedo dela. Que eles tavam, até se preparando para colocar um vibrador pequeno. Bete escutava muito atenta, percebi que estava com idéias loucas na cabeça. Ela nunca tinha feito isso e pelo jeito gostou. Ficou imaginando coisas, com o pau do Paulo em suas mãos.

- Lucas, vc teria coragem de transar com outro homem? Ela nem deixou responder e falou logo em seguida:

- Gostaria muito de ver vc com outro

- Quem sabe outra hora, disse eu. Preciso primeiro acostumar com a idéia. Pegar um pau pequeno para acostumar.

- O Paulo Tb tem essa fantasia e tenho certeza que logo vamos realizar.

-Engraçado, vcs duas ai com idéias loucas, querendo nos ver com outro caralho no nosso cú e vcs duas ainda virgem na bundinha. Vamos fazer o seguinte:

- Quero ver o Paulo comendo o cú da Bete e depois eu como o da Sonia, o que acham?

- Sonia disse por ela tudo bem, pq quem iria sofrer mesmo era a Bete.

A coisa estava esquentando, Bete pra minha surpresa concordou que o Paulo iria tirar a virgindade dela e eu da Sonia, mas com uma ressalva:

- Quero ver vc chupando o pau do Paulo, preparando ele pra mim e depois quero o mesmo do Paulo em vc.

Como eu tenho uma a tendência ao bi, concordei logo. Peguei no pau de Paulo e coloquei na minha boca. Era muito grande aquela rola, mal cabia na minha boca, mas com jeitinho foi se ajeitando e eu chupando aquele mastro delicioso.

Nisso Sonia filmava tudo, dizendo pra Bete ajudar, chupando o Paulo tb.

Ficou nás dois ali dividindo aquele pau, ora eu chuapando, ora a Bete chupando.

Bete levantou, pegou a câmera e falou pro Paulo me chupar.

- Chupa o Lucas agora Paulo, quero filmar tudinho. Paulo não se fez de rogado e pegou meu pau e levou a sua boca, chupando com muita mestria. Chupa da cabeça até a base, engolindo tudo. Sonia vendo não aguentou e veio tb ajudar Paulo com minha piroca.

Como divida é pra ser paga, chegou o momento de Paulo tirar a virgindade do cú da Bete, peguei um KY, passei no pau no Paulo e depois dei uma chupadinha no cú da Bete, colocando um dedinho em sua bunda, tirando um gemido de prazer dela.

Peguei a câmera comecei a filmar, vendo Paulo com muito carinho e bem devagar tentar colocar aquela pica enorme no cuzinho da Bete. Ela estava de quatro, com aquela bundinha toda pra cima, esperando a pica do Paulo, que começou bem devagar, forçando um pouco a entrada. Achei que Bete não iria aguentar, mas quando entrou a cabeça, ela deu um grito que até me assustou. Paulo parou um pouco, pra ela se acostumar e foi colocando bem devagar. Bete chorava de dor, mas esse choro de dor foi se transformando em choro de prazer. Paulo a comia com muito carinho, eu via aquela pica enorme sumindo dentro do cuzinho da Bete. Ficaram um bom tempo assim, Paulo comendo aquele cuzinho e Bete gemendo quem nem louca.

Peguei a Sonia, preparei sua bundinha tb, coloquei ela de quatro ao lado da Bete, e comecei a comer aquela bunda deliciosa. Tinha um cuzinho delicioso, apertado, pois Sonia tb era virgem no anus. Mas como meu pau era bem menor, acho que Sonia não sofreu muito, pq logo ela começo a dizer:

- Mete tudo esse pau, come minha bunda, enfia tudinho pra mim gozar.

Sá sei que gozei gostoso, esporrando naquela bundinha lisinha, deliciosa. Olhei pro lado, vi Paulo tb gozando na Bete, enchendo aquele cuzinho de porra, deixando Bete totalmente satisfeita.

Depois tiramos uma soneca os quatro e quando acordamos estávamos todos extasiados, satisfeitos.

Combinamos que o DVD ficaria com a Sonia, que ela guardaria e que marcaríamos um data pra assistir todos juntos. Mas isso já é outra historia.





















VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


a trois com minha cunhada contos gay meu filho gostosocorno dominacao dedos no cu conto eroticocontos eroticos de pais esposa e filhas em praia de floripatempo minha filha gostosa e g************* do c* dela contos eróticoscontos erotico d fui dormi so d calçinha com papai me ferreicontos erotico gay dei pro amigo do meu pai e comi a cachora dele sorfilavelha cavala virando olhoeu e minha cunhada lesbica fizemos um bacanal com sua irma e mae incestocontos casadas malandrasloira resebi anal depois de treinamentoconto gozada dormindocontos eroticos gay problemas mentaisconto erotico na casa de swing na troca de casal descobrimo que não eram casadoscontos eroticos q bocA e essa desse baianoque cunhadaScu do sobrinho menor contos eróticoscontos eroticos de corno depois que voltaramcontos eróticos vovó me comeucontos eróticos menina pequena dá o c* no pedágiocontos eroticos so era pra ela chuparcontos eroticos cunhadaGozando nas tetinhas contos eróticosvideornpossContos minha irma e meu cunhado vieram passar uns dias conoscocontos de incestos e orgias entre irmas nudistasComto lesbico fragante fazendaTennis zelenograd contosou casado mas fui dominado gaycontos toda meladaconto erotico gay seduzindo o tio velho coroa grisalhocoroa de vestidinho sem calcinha abrindo as pernas para enteado poderContos com irmã com fotosminha bunda grande contoconto erotico menina de shortinho marcando a bucetabrincadeira de lutar comi o viadinho. contosconto erótico gay meu irmão me comeuconto erotico irmão mais novo machocontos porno esposas estuprados submissoscontos sexo minha.filha.minha sobrinha queriam leitemamada gay contocontos eroticos fiz megane com meu maridonoite maravilhosa com a cunhada casada contosconto erodico,eu amo da minha bunda pro meu maridocontos traindo meu maridorelato erotifo meu filho gosa muto nas minhas calcinhascontos eroticos d filhotes mando mulhereseu e minha cunhada lesbica fizemos um bacanal com sua irma e mae incestochupando o patrão contos eróticoscontos eroticos incesto peito com leitecontos eróticos femininos sobre masturbação para me deixar molhadae com tesãoirmãfodeirma dormindoContos casada levou dois rapazes para sua casarelato erotico meu filho gosa nas calcinha minhasContos de Puta que pra ela so dava rolao cavaloConto Comi o cu da minha irma e gozei varias vezis dentrocontos de putaria casal com garçom doutadoconto erotico professoraconto sou loira e adoro um negãocontos eroticos gay virei menina quarto rosaVem amor segure a rola dele para eu sentar em cima, vem meu corninhocontoseroticos cagando na boca do viadocontos eróticos de padrasto comendo enteada ainda bem pequenacasada relutante cedeu desconhecidocontos/esposa na rola do meu amigocontos gay luta livrefoi da aboceta vije e a rombohistoria de contos eroticos com pasteleirofilme pornô minha prima gravata preta para mimrelatos eroticos de homens dotados comendo noras e comadrescontos arrombado por cdcasada tarada por caninocontos minha namorada pelada meu amigocontos meu pai me seduziu