Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

A "MENININHA" DO PAI

Click to Download this video!

Eu me chamo Renato e minha vida sexual começou muito cedo. Sou moreno claro com cabelos encaracolados bem pretos e com 19 anos eu já tinha 1,78 de altura, ombros largos, peito estufado, pernas grossas e peludas. Um corpo atlético, pois já curtia a prática de esportes desde bem novo, o que somado a genética, contribuiu para que eu tivesse uma aparência de HOMEM em comparação aos outros meninos da minha idade.

Além disso, sempre disseram que eu tinha um sorriso muito bonito e uma cara de safado com aquela mancha de barba por fazer que deixavam as meninas loucas. Com todo esse aparato, com 19 anos eu já havia “comido” muitas meninas e mulheres e daí pra frente fui perdendo a conta.

Talvez por essa fama de “galinha” somado a muitas cenas de ciúme e insegurança por parte das meninas com quem namorei, nunca consegui ter relacionamentos duradouros. Os anos foram passando, acabei me acomodando e não me casei. Nunca tive preconceito contra gays, eles lá e eu cá, até gostava, tinha a teoria machista de que quanto mais gay, mais mulheres sobravam para nás, homens.

Tenho 34 anos e há dois anos o destino me pregou uma peça. Fui procurado por uma mulher, a Cecília, que eu não via há mais de 19 anos, na época eu morava com a minha mãe e ela nos procurou para informar que eu e ela havíamos tido um filho. Lágico que de cara eu duvidei, mas levando em conta uma série de detalhes da época, ficou claro para mim e minha mãe que o garoto realmente era meu filho.

A grande surpresa é que no dia em que fui conhecer o garoto - seu nome era Marcinho - não me apareceu pela frente aquele “varão” com cara de garanhão que me recordaria à juventude. Ao contrário, o que vi foi um menino magro de 19 pra 19 anos, com uma bundinha arrebitada e com jeito e traços muito delicados que lembravam muito uma irmã minha já falecida o que reforçava mais ainda a minha histária de paternidade. Confesso que na hora eu fiquei meio chocado e quando indaguei a Cecília se ele era gay, ela confirmou que sim e que não havia mencionado porque não tinha achado importante, porque “filho é filho e agente aceita como ele é”.

Dito isso aceitei a realidade e encarei o “problema”. Minha mãe de cara se apaixonou pelo neto deixando claro que pra ela não fazia a menor diferença o fato de ele ser gay, na verdade ele era um “doce” de menino que cativava a todos, que não fossem preconceituosos, já nos primeiros contatos.

Logo o Marcinho passou a frequentar a nossa casa e é claro que eu tive alguns aborrecimentos por causa de alguns vizinhos e colegas que se achavam no direito de fazer algumas piadas. Cheguei a brigar com alguns caras, perdi amigos de infância por causa disso e fui criando uma revolta por qualquer pessoa que tivesse preconceito com o Marcinho por ele ser gay, e isto acabou nos aproximando mais. Eu queria protegê-lo, defendê-lo e não deixar que ninguém atingisse aquele meu “menino frágil” com nada. Quando era mais jovem, sempre me imaginava sendo pai de uma menina e sem perceber comecei a tratar o Marcinho como se fosse uma "menininha" e passei a ter tanto carinho por ele a ponto de ter ciúmes quando o via conversando com algum outro homem com medo do sujeito estar mal intencionado sem que ele percebesse.

Duas fatalidades ocorreram que nos aproximaram ainda mais. Primeiro a mãe dele precisou ir trabalhar em outro estado, e até que ela se estabelecesse por lá, pediu que ele ficasse um tempo morando comigo e com minha mãe e assim foi feito. Acontece que um pouco depois desse período minha mãe veio a falecer de repente e eu fiquei muito triste e deprimido assim como o Marcinho que adorava a avô. Nessa época ele já estava com 19 pra 19 anos e quando a mãe dele veio busca-lo eu e ele pedimos a ela que ficássemos mais um tempo juntos devido ao que havia acontecido e ela não teve outro jeito senão deixar.

Passados alguns meses de toda aquela tristeza eu e Marcinho tentávamos nos apoiar um no outro. Ele não sabia o que fazer pra me agradar. Estudava de manhã e passava o resto do dia nos afazeres domésticos. Quando eu chegava do serviço à noite encontrava a casa num capricho com roupa lavada e pendurada e uma comida sempre deliciosa que, isso eu já sabia há tempos, ele cozinhava bem demais e adorava fazer os “meus pratos” preferidos.

Aconteceu que um dia eu estava saindo pro trabalho e ao me despedir dele com pressa sem querer ao invés de lhe beijar o rosto acabei lhe dando um beijo na boca. Houve um momento de constrangimento entre nás, eu me desculpei com ele e saí logo em seguida, mas por alguma razão aquela cena não saiu da minha cabeça o resto do dia inteiro. Eu não via a hora de chegar em casa e dar-lhe um abraço bem forte e lhe dizer que entre nás não poderia haver constrangimento nenhum, que ele era meu filho, que eu o amava.

Quando cheguei em casa naquele dia ele me recebeu com o carinho de sempre. Nesse dia ele me pareceu estar mais perfumado do que o habitual e usava um topzinho e um shortinho bem curto que junto com o cabelo liso caindo aos ombros lhe dava uma aparência encantadoramente feminina. Ele me cumprimentou com um beijo no rosto e foi para cozinha dizendo que a janta estava pronta e parou em frente a pia lavando uns talheres enquanto falava comigo de longe. Eu não aguentei e fui atrás dele e chegando na cozinha passei meus braços pela sua cintura e falei baixinho no seu ouvido: - Eu te amo... Eu te amo muito, sabia?

Ele se assustou e deixou alguns garfos caírem no chão, quando se agachou pra pegar sua bunda encaixou certinha na direção do meu pau, ele voltou a por a mão na pia e eu sem soltar os braços da sua cintura me afastei um pouco e falei: - Desculpa filho, tô te atrapalhando? – E ele me respondeu: - Não paizinho, eu te amo muito também, o senhor é o homem mais importante da minha vida, é muito bom receber seu abraço assim...

Quando ele disse isso eu não aguentei e enlacei ele pela cintura e sentindo meu pau colado a sua bunda comecei a falar no seu ouvido:

_ Ho! Meu menino, eu te adoro... Eu quero te proteger, não quero que ninguém te toque, que ninguém te faça mal, eu quero te dar colo...

Quando falei isso, comecei a dar vários beijos na sua nuca, percebi que meu pau já estava duro como uma pedra e notei que meu filho mexia a bunda de um jeito a conseguir sentir melhor aquela rigidez me dizendo:

- Eu quero paizinho, quero muito o seu colo, quero muito o seu amor...

Ouvindo isso eu o virei de frente e olhando em seus olhos eu disse:

- Minha menina, minha garotinha linda, eu não quero que ninguém te toque, se vc precisar de um HOMEM, o pai tá aqui, eu quero ser esse HOMEM pra vc...

E ao dizer isto eu e ele fechamos os olhos e eu senti a minha língua entrando em sua boca e eu me vi dando o beijo mais demorado da histária da minha vida. Cada chupada que eu dava na sua língua ele parecia que ia desmaiar como uma donzela e isso me excitava mais ainda fazendo com que meu pau parecesse que ia explodir. O resultado e o desenrolar da histária desse beijo eu conto no práximo conto.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


Contos eroticos marido pede para esposa quero ser cornocontos eroticos ninfeta al climaxchupando buceta soltando fumaçacontos eroticos porteirobanhocontoeroticofotus de zoofiliacomendo cuzinho de elanyContoseroticoscomsogrocontos eróticos de bebados e drogados gayscontos gay descobri a mulherzinha que havia em mimcalcinhas usadas da minha tia,safada contoscontos meu primo me comeudormindocontos erocticos aii uiii vaicontos de menininhas sentando no colo de homensFiquei parado olhando a bunda delaMelhor amiga da minha mulher na minha rolausei calcinha contosengolindo ate o talo contoscontos cunhada se asanhando na frente do maridobunbum malhados pornocasa dos contos mae e filha xupação de bucetacontos eróticos cdzinhaconto eróticos a cumhada q eu tinha raivaconto porno gay putinha de váriosmeu padrasto meu donocontos eroticos dei no velorio do meu maridoeu e meu marido na nossa noite de núpcias eu disse pra ele mete seu pau bem devagar na minha buceta virgem conto eróticomiha noiva xxxconto minha mulher gosta quando levo ela nas festinhasconto erotico peguei um filhote de cachorro e ele me fudeumulher ver pica grande e o cu fc piscado pornoconto erotico na piscinacontos d zoof de ferias na fazenda com meu maridocache:OO37PGErH7QJ:https://spbgau-kf.ru/conto-categoria_4_83_incesto.html coros bem casada no primeiro anal da vida contos mais lidosContos eroticos empregada humilha a patroacontos eroticos cu da enteadacontos comendo mae e filhacontoseroticosdeincesto/irmaoeirmaDei o cu no onibus contosmamada gay contocontos eróticos perdeu aposta e teve que dar para traverticontos erótico de lesbianismose um homem excita uma mulher e demora muito para penetra-la ela pode sentir uma dorzinhacontos aprendendo o que e uma buçeta com a mamaefilho aromba o cu da madastra que grita ta,doendoincsto ruconto erotico espiando pelo buraco da fechaduraporno éla dis méche que eu vou gozarcontos eróticos eu pensei que meu marido fosse enganoMeu irmão chupa minha maeContos minha doce sobrinha melcontos eróticos casal ônibusContos Deize pega rolaContos eroticos transei com uma porcacontos eroticos de incesto: preocupada com meu filhofoda gostoza mulher caszada tro cano omaridovai dar rolê tudo gordona aí tudo mulher gorda só de biquíni bem gordona da bundona bem gorda da bundonacontos eroticos fui castigadaconto eurotico eu fui viajar e minha esposa saiuconto comi a buceta da mae do meu amigoférias na praia com minha filha parte 2 contos eróticosconto herotico gay Virei a putinha de dois noiasconto de mulher casada viciada em dar o cu para o cunhadocontos eróticos crenteaec porno videos bhPirocada sexo gay velhos tara contos veridicosContos gays vestido de mulher a noite na borrachariacontos Rabuda com cheiro de bundacontos pornos veridicos casada fala que quando era adolesenti chupava o pau dos namorados ate gozarecasada dando o cu no bairro de na casa do ferantemassagem de homem com mulher depois fudela Contos minha irmã e minha putaMinha esposa arregaçadassentei na rola do padrinho contos eróticosContos eróticos Bebêcontos eroticos gay meu vizinho de dezenove anos me comeu quando eu tinha dez anoscontos eróticos de velhas crentes donas de casacontos erotico frentistaMolestei minha irma contos eróticovalesca chupando e o namorado olhandoconto de casada fudendo com outroJá botei ela para transar eu não vai botar o vídeo dela transando gemendo tácontos meu cunhado é corninhoGoiânia conto local cu borracharia gayContos podolatria empregadacontos a crente da a buceta e corno fica na punhetaAdoro usar shortinho feminino e calcinha fio dental afeminado contosenterrando ate o talo, contos erticosMostre minha rola cabeçuda para o cone e falei que ia comer sua mulher quando eróticoscontos eroticos crossdresserconto de enteadatirou as pregas dela contoscalcinhas sujas contos eroticos da tia safadarelatos de cheirando calcinhacontos eroticos gozando no cu da coroacontoseroticos fissurado no cu da esposacontos eróticos de gay comi o amigo do meu padrinho