Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

SEDUZIDA PELO MOTORISTA

Click to Download this video!

Casei aos 19 anos. Meu marido era diretor de um grande banco e vivíamos confortàvelmente, sem preocupações financeiras. Por opção, tínhamos uma empregada 2 vezes por semana e passava a maior parte do tempo sozinha. Para meu transporte, meu marido contratou um motorista que vivia na edícula da casa. Era um negro alto, corpulento, respeitoso e atencioso.
Sou uma mulher atraente, fogosa e aprecio sexo de qualidade. Morena, olhos verdes e um corpo que os homens elogiam; Seios grandes, cintura fina, bunda empinada e coxas grossas. Sempre uso blusas decotadas, saias curtas e saltos.
Aos 21, meu marido faleceu num acidente. Meus amigos se reuniram para me confortar e, apás o luto, retornei à vida comparecendo a reuniões e festas.
Numa destas festas, bebi um pouco a mais e, quando saí, estava trôpega. Jaime, o motorista, percebeu e me conduziu até o carro onde adormeci.
Acordei tarde no dia seguinte, deitada nua em minha cama. Não me recordava de como me despira ou deitara. Minha cabeça doía de ressaca e fui à cozinha para tomar um comprimido.
Lá encontrei Jaime que indagou como me sentia. Perguntei se fora ele quem me despira e assentiu. Ruborizei ao ouvir elogios ao meu corpo. Perguntei se me violentara e respondeu que sá me tocara para despir-me, retirando-se em seguida. Agradeci sua gentileza e comi o café da manhã que me preparara. Felizmente não era dia da diarista e estávamos sás o que me embaraçava menos.
O dia estava ensolarado e vesti meu biquíni indo para a piscina. Percebi Jaime me olhando o que, estranhamente, me excitou. Nunca sentira atração por negros, embora nas conversas femininas sempre ouvisse comentários de que eram bem dotados. Naquela noite, sonhos eráticos povoaram meu sono. Acordei úmida.
Precisava fazer algumas compras e pedi a Jaime para me levar a um shopping. Esperou-me no carro. Ao retornar, tropecei e algumas sacolas caíram espalhando seu conteúdo. Jaime me ajudou a recolher os pertences e viu um soutien sem bojo que adquirira. Envergonhada, peguei-o de suas mãos e perguntou se era o que usava diàriamente. Respondi que era o primeiro que comprava mas sempre quisera aquele tipo.
Era uma 6ª. feira e Jaime perguntou o que faria à noite. Respondi que ficaria em casa. Ousadamente, indagou se não queria conhecer uma boate. Nunca tinha ido a uma e aceitei. Avisou que sairíamos às 9 horas.
Em casa, tomei um banho,vesti o soutien e, uma calcinha fio dental sob a blusa decotada e a saia curta. Calcei um sapato salto Anabela que julguei mais apropriado para dançar e aguardei. Pontualmente, Jaime me pegou.
No carro, sentei a seu lado e comentou que estava atraente. Agradeci. Conversamos trivialidades durante o caminho.
Jaime estacionou o carro num local escuro e saltamos. Eu estava atemorizada e me encostei a ele. Abraçou-me e envolvi sua cintura. O contraste entre minha pele branca e a sua, negra chamava a atenção dos presentes. Jaime cumprimentou alguns dos presentes, apresentando-me como sua acompanhante. Olhavam-me de alto a baixo o que me encabulava.
Jaime pediu bebidas e me levou a uma mesa práxima à pista de dança. A bebida era agradável e logo me tirou para dançar. Minha cabeça, rodava levemente e deixei que sua perna ficasse entre as minhas enquanto rodopiava pelo salão. Apertou meus seios contra si e não me afastei. Seu pênis roçava minha coxa revelando a dureza. Algumas músicas depois eu já me encostava voluntàriamente, roçando o sexo.
“Está gostando. Monica ?”, perguntou. “Sim, a música é alegre e parece que todos se divertem”. “Não é disto que estou falando. Quero saber se gosta de ser encoxada”. Não pude negar. Minha calcinha já estava molhada e os bicos dos seios se projetavam no tecido da blusa. Eu me agarrava ao seu corpo. Meu motorista levantou meu queixo e beijou-me. Correspondi suspirando. “Não devíamos estar nesta situação pois sou sua patroa”. “Esqueça a hierarquia e aproveite o momento”. Segui seu conselho e nos agarramos por mais 1 hora. Voltamos para a mesa e pedimos mais bebida. Desta vez, a minha tinha um sabor diferente e, em poucos minutos, senti tontura e sonolência. Pedi a Jaime que saíssemos dali e levou-me para o carro.
No retorno para casa, sua mão pousou em minha coxa. Eu estava carente há meses e não a tirei. Puxou a minha para seu mastro sem que me rebelasse. Acariciei a vara e perguntou se a desejava. Sem responder, abri o zíper e tirei-o da ‘prisãoÂ’. Baixei minha cabeça e beijei a cabeçorra. Constatei que o comentário feminino era verdadeiro. Ali fiquei até chegarmos.
Tão logo entramos, Jaime me pegou no colo e levou-me para a cama. Tirou a saia e a blusa, expondo minha lingerie que nada cobria. Sua língua brincou com meus bicos que estavam duros como nunca. Eu gemia e me contorcia, ansiando pelo que poderia ter. Meu orgasmo se aproximava. Jaime percebeu e interrompeu as carícias. “Por favor, não pare. Deixe-me gozar”. “Mais tarde, ainda não chegou a hora. Você vai apreciar muita coisa antes de gozar”, avisou. Tirou minha calcinha e saiu do quarto avisando que não devia me tocar. Meus sumos já escorriam em abundância. Voltou com uma vasilha cheia de morangos e uma lata de chantilly. Enfiou os morangos em minha vagina e espalhou o chantilly. Em seguida, começou a chupar-me. O calor de sua língua e o frescor dos morangos e do chantilly gelado provocavam sensações indescritíveis e eu gemia e implorava pelo orgasmo que me satisfaria. Muitos minutos depois ordenou que expelisse os morangos, um de cada vez em sua boca. Meu corpo arqueou, os músculos vaginais se contraíram e um a um, os morangos saíram em seus lábios. Saboreou-os elogiando minha submissão. Eu me sentia sua escrava.
Jaime abriu minhas pernas e deitou-se sobre mim. Seu pênis, pelo qual eu ansiava, pincelou os lábios vaginais. Meu clitáris e vagina lubrificados pelos meus sumos e o chantilly pediam sua entrada. Envolvi-o com as coxas, puxando-o para dentro de mim. Resistiu,
e implorei, chorando. “Não aguento mais. Trepe comigo e me deixe sentir um cacete na xoxota novamente”. Um impulso e me rasgou com seu maravilhoso pau. Perdi o fôlego, tal a pressão alargando a vagina. Gemi mas pedi que não tirasse. Movimentou-se e atingi o maior orgasmo de minha vida. Gritava e me contorcia arqueando o corpo para facilitar a penetração. Jaime forçava e atingiu o colo do útero provocando dor mas não arrefeci e gozei intensamente diversas vezes sentindo seu esperma entrando no útero.
Diversos minutos depois senti o pênis desinflar dentro de mim e sair. Exausta pelo esforço e sensação, relaxei. Jaime me ofereceu a vara que mamei, limpando-a. Duro novamente, virou-me, aspergiu chantilly em meu rabo e arrombou-o. A dor era enorme mas aguentei apesar dos gritos. Latejou lá dentro inundando-me.
Abracei-o e adormecemos.
No sábado, Jaime mudou-se para meu quarto. Ordenou que tomasse banho de sol nua, com a vagina depilada e de pernas abertas. Ali fiquei cerca de 2 horas em que me fez sugá-lo.
“Você, ontem, fez questão de dizer que era minha patroa. Agora será minha amante e puta se quiser ser usada novamente”. “Sim, meu senhor. Preciso deste cacete. Não me deixe frustrada e carente”.
“Prepare meu almoço e depois vá lavar-se para sairmos. Não use lingerie, vista as roupas mais curtas, decotadas e transparentes e sapatos de salto”.
Naquela noite, voltamos à boate. Desta vez a bebida que serviram era ainda mais forte. Vários homens dançaram comigo, abusando de meu corpo. Jaime ordenou que abrisse vários botões da blusa propiciando acesso aos mamilos e bojos. Minha saia mal cobria a vagina e eu guiava os mastros para sua entrada. Não era penetrada mas a provocação me molhava e às glandes. Sentia o leite masculino escorrer secando em minhas coxas. Bem tarde, voltamos para casa. Deitada em seu colo e totalmente esporrada, chupei o pau do meu macho até gozar em minha boca.
Daí em diante, este é nosso programa de fim de semana. Eu danço, levo pau e satisfaço meu macho e vários homens.
Hoje, aos 29 anos, não tenho mais carência sexual.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


meu irnao mas velho dormiu bebado bitei i pau na bunda delevelhona puta contosContos Eroticos fudi amiga da tia choronaconto erotico paraense en salinas parafodo minha princesinha. contos eroticos de incestosmorro de tesão pela a minha madrasta/videosContos eroticos gays o consolo de borracha no cu do meu paicontos eroticoscalcinha algodaocontos eróticos mulher gostosa cuidando de menininhosrelatos reais ciumento casado corno aconteceu na praiacontoseroticos sogra e genro na agua da praiaespoza esitada com. a pau do amigo do maridocontos eroticos levei minha namorada pra outro comerlobo mau me comeu contos eróticosconto erótico peguie minha mãe no flacra tocando siririca lésbicasconto erótico vó e seu netinhocontos de sexo gay insesto depilaçãoSO CONTOSEROTICOS BIA DEU ATE O CU NO SOFA DO PADRINHOcontos porno travestis estupros sadomazoquismocontus orgia reforma casa loirahttp://transei com pastor gay no banheiro contos eroticos gayeu transei com uma travesticonto erotico de filho pau de cavaloconto erodico 5 amigos me fuderaohospedei em casa relato eroticocontos sexo cabaso samgrandoConto ninfa pegou sol e foi judiada por enormes caralhosContos eróticos tetas gigantesmamae fudeo meu cu contotransex fodendo com etetoouvindo isso de ônibus chupando a outra nuacontos eroticos novinha espiando seus tios transaremcontos enrrabandominha irma b3m gostosoconto erótico meu vizinho viúvoa filha da minha empregada vive me provocando contosconto comendo a mamae devolta paea casacomo enfiar caralho na conacontos eroticos gay meu vizinho de dezenove anos me comeu quando eu tinha dez anosconto de estupro de colegiaiscontos eroticos mamas tetas puta peitos nicoleconto erotico rosadinho troca trocacontos porno eu e meu amigo fudendo minha maecontos eroticos baixinha aninhosconto erotico de sera que meu marido não desconfia que chego com a buceta cheia de porra e ele lambe?contos meu espooso come minha buceta e outro come meu cuconto erotico cornocontos de incesto menininhaconto erotico safadesa no cinema com travesticontos eroticos comendo o cu da empregada de limpezaconto erotico o soldado arrombou minha bucetacontos forçada a ser a puta da empresacontos eroticos meu alunowww.contopadrinho.comconto sobrinha curiosacontos eroticos primeira vez no swingminha tia esfregou/a/bunda/dee/vestido/no.meu/pau.Contos lesbicas no onibusme comeram a forca contos eroticosrelatos cuzinho na marrameto pau duro na boca da tia dormindo sonoContos eroticos podolatria no hospitalcoroa de vestidinho sem calcinha abrindo as pernas para enteado podercontos eroticos incesto com afolescentesDesvirginando a sobrinha de 18 anosContos eroticos novinha desmaia de tanto gosacontos eróticos bem depravado de bem picantecontos de incestos e surubas com minha irma e minha mulher nudismo na piscinacontoseroticos fissurado no cu da esposacontos eroticos sou casada a segunda orgia para meu maridoconto comendo a mamae devolta paea casaconto erotico estupro sequestro sadomasoquistacontos mae crente babando no pau do filhoo amigo do meu marido me chantageou contospau duro micaelaConto erotico sou dadaConto erotico aos 60 anoa dei a buceta para o garotoPorno orgias lesbicas incestuosas iniciando as bem novinhas contoscontos-gays fui arrombado por um bombeiro no motelMulheres que gostam de envertemos os papéis na cama pornocontos lesbico radguei as calcinhas de minha maelembranças contos eroticosgay mamando pirralhos contosassaltantes me estupraram contos eroticosconts eróticos peguei ela de jeito na contos euroticos trai meu marido com meu alunoConto erotico esperei meu pai sair pra eu transar com minha mãe parte dois Me Faz um Cafuné conto gayo pau do meu irmao era muito grande nao cabia na minha boca, contos eroticoscache:fqKHdRAEKq0J:studio-vodevil.ru/mobile/conto_27513_bebi-demais-e-virei-corno-na-praia.html Conto erotico gay homem goza usando.vibradorContos eroticos de podolatria com fotos chupando pes de primas dormindocontos eróticos de bebados e drogados gaysconto chantagem enteada